2ED – Entender, Especificar e Desenvolver

Autor do artigo
2ED – Entender, Especificar e Desenvolver

Uma ideia na cabeça = um diamante bruto nas mãos

Já imaginou construir uma casa sem um projeto? Pode até dar certo em alguns casos, mas a chance de dar errado é grande. Contratar o pedreiro sem ter especificado exatamente onde ficarão os registros, a posição das portas, janelas e o fluxo de passagem, pode fazer com que você tenha que derrubar paredes depois de pronta sua casa. Ou até um mal aproveitamento do terreno pode inviabilizar a construção da piscina no futuro. No desenvolvimento de software acontece a mesma coisa. É muito difícil passar tudo que está na nossa cabeça para o entendimento do desenvolvedor sem o desenho de um projeto claro.

Portanto, nem sempre uma boa ideia é sinônimo de sucesso. Em alguns casos o projeto pode virar uma grande dor de cabeça e não terminar nunca. É natural, no meio do processo quando começamos a ver o software tomando forma, ter novas ideias e pensar em funcionalidades melhores que não havíamos previsto. E, na maioria dos casos, as “melhorias” não foram contempladas no prazo ou orçamento do projeto. Assim, começam disputas entre a equipe de desenvolvimento querendo entregar logo o projeto (ou receber mais), e o cliente querendo algo como ele havia imaginado. Você já viu esse filme?

Na Guaraná Digital vimos isso acontecer diversas vezes com clientes que trouxeram o projeto iniciado com desenvolvedores freelancers ou outras empresas de desenvolvimento, mas ainda longe de estar finalizado.

Foi então que criamos um método de trabalho 2ED – Entender, Especificar e Desenvolver.

Trata-se de, junto com o cliente, definir todas as regras de negócio que o sistema deve seguir. Nem sempre quem teve a ideia de algum sistema pensou em todas as regras e falhas que podem surgir. Por isso, fazer a pergunta certa ANTES de iniciar o desenvolvimento vai economizar recursos valiosos.

Em todos os projetos digitais aplicamos o 2ED:
1. ENTENDEMOS – Junto com o cliente levantamos as regras do negócio para validar todas as funcionalidades antes de iniciar o desenvolvimento. Transportar a ideia, algo subjetivo, para algo possível é uma parte essencial do projeto.
2. ESPECIFICAMOS – Organizamos todo o entendimento do projeto para poder validar com o cliente. Montamos um protótipo, que vai levantar novas dúvidas e, se for o caso, fazer o redirecionamento do projeto. É muito mais fácil e barato alterar o projeto neste momento do que depois de desenvolvido. Aqui, muitas vezes opta-se fasear o projeto e executá-lo em etapas.
3. DESENVOLVEMOS – Depois de validado, é hora de desenvolver. Não nos prendemos a uma metodologia ou uma linguagem de programação. Cada projeto é único e será desenvolvido com a tecnologia que fornecer os melhores recursos.

Se você quer ter ter tranquilidade no desenvolvimento do seu projeto, pense em organizá-lo antes.

Uma boa dica é sempre iniciar com a definição do plano de negócios. Você terá que revisitar esse documento para responder diversas dúvidas que vão surgir na concepção do produto. Com essa definição, é hora de montar a arquitetura do seu sistema. Existem softwares especiais para fazer isso, como o Adobe XD, Axure RP, Figma e outros. Também é aconselhável criar um mapa mental do sistema incluindo todas as seções e recursos. Com o Mapa mental você terá uma dimensão do tamanho do projeto. Isso vai te ajudar a decidir o que pode ficar para uma próxima versão no caso de um faseamento do projeto.

Caso precise de ajuda ou queira saber mais sobre o nosso método, fale com a gente.